Traffic Jam

O engarrafamento da foto ocorreu no Cairo mas, um breve Photoshop® nos característicos bagageiros egípcios, e estamos em casa, no nosso congestionado Rio de Janeiro.

Falhas de planejamento, excesso de veículos, buracos de obras ou pela falta delas, filas nas escolas, colisões ou atropelamentos e os sádicos que param para assisti-los, passeatas e carreatas, carros com problemas mecânicos ou falta de combustível, ruas inundadas por chuvas e vazamentos, blitzes policiais, sinais defeituosos, afunilamento de pistas, e tantos outros gargalos e fatores podem influir no nosso tão sacrificado direito de ir e vir.

Uma pesquisa do divertido site The Onion concluiu que 98% dos motoristas americanos são favoráveis ao transporte de massa… para os outros. Ao privilegiarmos nosso conforto e engrossarmos com nossos carros o volume de trânsito que as ruas da cidade têm capacidade limitada de absorver, estamos – todos nós – contribuindo para o problema.

A  falta de respeito tem um papel importante nesse caos. Motoristas espertos que trafegam pelo acostamento, avançam por fora ao topo da fila trancando outra pista ou estacionam impedindo a passagem de carros e pedestres. Motociclistas que se enfiam entre as faixas de rolamento, quebrando espelhos e arranhando carros, como se sua insuportável buzininha fosse uma sirene e eles os donos da rua. Pedestres que atravessam a rua fora do sinal ou sob a passarela. Ônibus e vans que bloqueiam cruzamentos e faixas de pedestres e buzinam com o acelerador. Veículos de emergência que usam a sirene quando estão atrasados para o almoço. Todos certamente merecedores do troféu “Idiotas do Trânsito”.

Directing TrafficMas grave mesmo é a causa dessa baderna generalizada: o Poder Público perdeu a noção da sua missão. A função de controle do trânsito deve ter, como prioridade absoluta, a garantia do livre e seguro fluxo de veículos. É a aplicação direta do direito constitucional à livre locomoção.

Ao multar um veículo cujo motorista atendeu o celular, enquanto o trânsito está parado porque um ônibus fechou o cruzamento, o guarda de trânsito está privilegiando a arrecadação em detrimento do seu dever mais fundamental. Enquanto o trânsito não flui, o guarda não tem o direito de ocupar-se de outra coisa.

O policial que determina o reboque de um carro com imposto em atraso enquanto um veículo acidentado ou enguiçado prejudica o trânsito equivale ao médico que atende o paciente com unha encravada enquanto o cardíaco morre no corredor.

Do mesmo modo, o administrador público que determina o foco na multa em prejuízo da atuação pela livre circulação de veículos viola direito fundamental da sociedade e comete, a meu ver, crime de responsabilidade.

Não falta coragem ao governo para atormentar o motorista que bebeu um copo de vinho com o jantar (somos nós, pagando pelos bêbados negligentes) ou que atrasou a vistoria anual, sob o peso da imensa carga tributária que nos oprime.  Infelizmente, a firmeza em exigir não é proporcional ao desempenho da fundamental missão que lhe cabe.

Além da atuação proativa dos agentes de trânsito, da imediata remoção de obstáculos à livre circulação e do exemplo, o poder público deve investir em engenharia e educação.

Para uma excelente explicação, por exemplo, das consequências quase inevitáveis que seguem o toque desnecessário no freio por um motorista, numa verdadeira reação em cadeia de luzes vermelhas capaz de causar isoladamente um engarrafamento de longa extensão, bem como da dinâmica das ondas intermitentes que impede o trânsito sem obstáculos de fluir, veja aqui.

Too Many WordsEnfim, pequenas contribuições como prestar atenção na abertura dos sinais para evitar atrasos na movimentação e poupar a todos a inevitável buzinagem, não andar devagar na pista de ultrapassagem e não esperar até o último segundo para entrar na pista em que você SABE que deveria estar, ajudam a tornar menos cansativos os deslocamentos que todos precisamos fazer.

Há tanto que dizer sobre trânsito que corremos o risco de transformar o post em um enorme engarrafamento de palavras.  Melhor frear por aqui.

Fotos: Walid Hassanein/tronics, “Cairo Traffic Jam, Flickr, 1 Feb 2007, Creative Commons (BY); Yi Su/Nuance1979, “A Policewoman Directing Traffic, Flickr, 20 Apr 2009, Creative Commons (BY-NC-SA); Derfel/derfy, “Traffic jam on the keyroad, Flickr, 25 Dec 2007, Creative Commons (BY-NC-SA).